Assista ao vídeo (AQUI)

Muitos peixes morreram após a abertura da barra da Lagoa de Iquipari, em São João da Barra, ontem, 18. A prefeitura montou uma ação de fiscalização na Lagoa para apurar denúncias de abertura ilegal da barra.

A Ong Ecoanzol  fez uma publicação nas redes sociais afirmando que a barra da lagoa foi aberta na madrugada desse domingo (18) por pessoas não identificadas.

Foto: Leitor Parahybano

“Essa madrugada foi palco de um crime ambiental em nosso território; pessoas não identificadas, abriram a Barra da Lagoa de Iquipari, em Grussai, São João da Barra. Quando isso acontece, os danos são muito impactantes, pois a introdução da água salina, ocasionada pela abertura da barra, altera os fatores físico-químicos que determinam a sobrevivência de diversas espécies de animais aquáticos que vivem em ambientes liminólogos, podendo comprometer seriamente a biodiversidade da lagoa. Para a população local o dano fica mais agravado diante de um cenário de perspectivas de escassez hídrica acentuado, previsto para os próximos meses. Vamos refletir… que cenário queremos deixar para as gerações futuras?”.

A Prefeitura de São João da Barra informou através de uma nota que, a fiscalização das lagoas é realizada periodicamente pelo Grupamento Ambiental da Guarda Civil Municipal, que possui ponto fixo na Lagoa de Iquipari e precisa se deslocar para atender denúncias sobre abertura de barras em outras locais e outras situações relacionadas ao meio ambiente. “Não procede a informação de dificuldade na fiscalização causada por contenção de despesas. O efetivo da Guarda Ambiental é concursado e o quadro da Guarda Municipal é fixo. Infelizmente algumas pessoas cometem crimes ambientais no município, não só na barra de Iquipari, mas de Grussaí também. A deliberação sobre abertura e fechamento de barras não compete à esfera municipal, cabendo ao Instituto Estadual do Ambiente (Inea) deliberar sobre o assunto. A secretaria municipal de Meio Ambiente e Serviços Públicos lamenta o ocorrido, já que estamos no período de seca, não existindo previsão de chuvas em quantidade suficiente para alimentar a lagoa, sendo um dano ambiental sério. É lamentável esse comportamento criminoso que precisa ser contido, sendo necessário o ordenamento imediato da Lagoa de Iquipari”, informou a Prefeitura.

O Inea enviará equipe ao local para verificar os impactos na lagoa e medidas a serem tomadas.

 

error: Conteúdo Protegido.